DSCF1761-1280x853.jpg

Depois de algumas semanas sem postar, por vários motivos, senti que era importante trazer um assunto que me tem tocado profundamente, acreditando que poderá tocar outras pessoas da mesma forma.

Quando decidi criar o blog, decidi que o meu espaço só seria utilizado para algo que pudesse inspirar ou acrescentar valor, seja uma dica, seja uma receita ou simplesmente uma reflexão, como é o caso. E que quando o fizesse teria de ser sempre, sempre a partir da voz do meu coração. Só que esta condição leva-me inúmeras vezes a auto-reflexões, a dúvidas, a inseguranças…não porque não tenha o que dizer, não porque não sinta que tenha capacidade para poder inspirar, muito simplesmente porque nem sempre me permito a parar e simplesmente sentir (me).

Como trazer o meu dom alquímico ao mundo? Como resgatar o fogo interno tantas vezes escondido na sombra de determinados padrões de pensamento, crenças internas, condicionamentos… Como afirmar os meus dons sem medo de brilhar? Como assumir a minha luz e toda a potencialidade da sua força criadora e geradora? E todas estas questões internas levam-me a uma única e tão essencial questão: Como silenciar o ruído para escutar a voz do coração? A minha verdade! O meu propósito!

Vivemos num mundo com muita abundância, em todos os sentidos. O mundo é hoje um contínuo emissor de ruído, seja pelos constantes estímulos sensoriais que nos invadem, seja com os desafios que nos lança até aprendermos a lidar com eles, até aprendermos a escutar a nossa própria voz no meio do ruído! E esta voz só se consegue ouvir no mais profundo dos silêncios: o interno.20

Mas é precisamente na raiz deste silêncio interno que reside a fonte de toda a criação, da verdadeira alquimia de Ser! 

orinam